FANDOM


Era uma época horrível no Vale da Lua Negra, em Draenor. Uma caravana de Draeneis é atacada por névoas tóxicas, todos os integrantes da caravana caem ao chão, tossindo sangue e tendo suas peles deformadas e derretidas pelo gás tóxico.

O líder da caravana, Emmanuel, um draenei jovem que estava carregando um carregamento de remédios, cai ao chão tossindo, eis que então uma figura draenéica feminina surge do meio do gás, com uma armadura negra e uma capa que rastejava pelo chão. Ela então se aproxima do jovem líder, se abaixa para encará-lo, e tira um papel de seu bolso, junto com um saco de moedas. Ela então se vira ao pobre draenei, e então diz, com um sorriso maligno:

-Não é nada pessoal, caro irmão. São apenas negócios.

O Pobre draenei então, se esforça para olhar nos olhos heterocromáticos da Draenei. E se esforça para falar:

-V-Vinyl....?. -Em seguida, Emmanuel dá seu último suspiro, e morre inalando o gás.-

Na cidade draenéica Karabor. O Conselho dos draeneis discute sobre tal ocorrido.

-Basta! -Diz o Exarca, batendo na mesa.-Essa tal de Víbora tem que parar!, ela já cometeu diversas atrocidades, temos que pará-la o mais rápido possível!.

-Não! -Diz uma conselheira, se levantando de súbito da cadeira- Se matarmos ela de maneira fria, não seremos tão diferentes dela!.

O Exarca então, se senta novamente na cadeira. -E então, oque sugere que façamos?.

Nesse momento, uma figura masculina draeneica entra na sala do conselho, com um sobretudo negro e seu rosto oculto por uma máscara.

-Oque sugiro? Sugiro que ela morra imediatamente.

O Exarca então, se levanta novamente e encara o draenei sombrio e diz :

-Quem é você!? Como ousa entrar na sala do conselho sem permissão!?

A Conselheira se vira para o draenei sombrio, e diz :

-Ora! Precisamos dá-la direito á um julgamento!, temos que capturá-la e encarcerá-la!

O Draenei então, se vira para a conselheira e diz friamente :

-Não seja tola, Alta-Conselheira. Ela mataria o grupo que mandássemos em segundos, ou simplesmente fugiria com alguma poção. Temos que executá-la!

O Exarca então diz:

-Eu não deveria tolerar sua interferência, porém você parece determinado á pegar "A Víbora''. -Se senta na cadeira novamente- Posso saber o porquê?

O Draenei sombrio então se vira para o Exarca, e sorri maliciosamente :

-Ela é minha prima, eu nunca morri de amor por ela. E sei como matá-la. -Ele então, retira uma poção vermelha de suas vestes - Essa poção, estimula o sangue de maneira absurda, e faz com que o coração bata numa velocidade extremamente alta. Isso vai destruir o coração dela, e a estimulação do sangue fará com que o corpo dela rejeite a substância regenerativa que ela ingeriu. Logo, ela morrerá com o tempo.

O Exarca olha para todos os conselheiros e vindicantes no local, em seguida coloca a mão na cabeça, pensativo. E então diz :

-Está decidido. Eu vou mandar o Vindicante Rakir para confrontá-la.

Todos os conselheiros e vindicantes começam a discutir sobre a decisão. E então, Rakir fica pasmo e implora para o Exarca reconsiderar.

-Exarca!, eu sei que sua palavra é lei para nós, vindicantes, porém eu não posso cumprir tal ordem!

O Draenei sombrio então sorri maliciosamente para Rakir, e diz com um tom sombrio:

-Ora Rakir, será que sua rejeição á essa missão, se deve ao fato de que vocês dois já namoraram, ou ao fato que ela já salvou sua vida várias vezes... -Ele então sorri de maneira ainda mais maliciosa- Ou, nas palavras da "Víbora", vocês já acasalaram?

Rakir então, retira a espada da bainha e a coloca no pescoço do draenei.

-Cuide de sua língua, impuro. Se não quiser que eu arranque ela fora.

-BASTA! -Grita o Exarca- Não vou permitir esse tipo de discussão na minha sala do conselho. E você Rakir, obedeça minha ordem! ou enfrente as consequências.

Rakir então guarda a espada na bainha, cabisbaixo mas se curva para o Exarca, pega a poção das mãos do Draenei, e parte para fora de Karabor, em busca de Vinyl. Sem dizer uma palavra.

Enquanto anda pelas florestas do Vale da Lua Negra, Rakir começa a se questionar sobre o comportamento de Vinyl, e sobre suas razões. Após muito andar, ele encontra Vinyl, desprevinida.

Ele então banha sua espada com a poção, e se aproxima de Vinyl. Porém ele quebra um galho com o pé, sem querer, e Vinyl se vira á ele.

-Oh, é você, Rakir. -Vinyl diz, sem esboçar expressão alguma- Á quanto tempo.

-Sim -responde Rakir- De fato, minha cara.

Então, Rakir aponta a lâmina para Vinyl.

-Entendo. -Diz Vinyl-. Eles te mandaram para me matar, eu suponho. Porém, tu és um Vindicante, Justo e honrado.. com certeza irá pens--

O Discurso de Vinyl é interrompido pela lâmina de Rakir, penetrando em seu peito, em direção ao coração.

-Isso é difícil para mim, minha amada, mas você cometeu diversas atrocidades. -Diz Rakir, com lágrimas escorrendo dos olhos-.

Vinyl começa a tossir muito sangue, e seu peito começa a jorrar sangue, ela então cai ao chão. Porém, mesmo caída, se esforça para pegar um papel da bolsa e, com dificuldade, entrega á Rakir.

-Oque é isso? -indaga Rakir-.

Vinyl levanta a cabeça com dificuldade e encara Rakir:

-E-Eu *Tosse muito sangue*, descobri... que meu ir...mao.. estava se... alian..do aos o-orcs e... demô..nios. *tosse muito sangue*.

Rakir então lê o papel, e chora ao ler a carta que o irmão de Vinyl, Emmanuel, havia escrito para Gul'Dan. Então ele abraça Vinyl :

-Pela Luz!!, oquê eu fiz!?

Vinyl vira a cabeça para Rakir, e diz :

-O-O Pior... erro.. da sua...vida. *tosse*.

Rakir, chorando muito, diz :

-Pela Luz!, oque eu posso fazer para te salvar!?

Vinyl então sorri, e subitamente tira uma faca da bolsa e a enfia na garganta de Rakir. E em seguida, sussura em seu ouvido :

-Me dê seu sangue *tosse* caro... "amado".

Rakir cai no chão, morto. Vinyl então tira uma poção, com um logo escrito :"Sangue da Fenix." Em seguida, coloca o sangue de Rakir numa ampola, e depois derrama a ambola em cima da poção. Fazendo-a brilhar intensamente. Porém ela cai ao chão novamente. Mas enquanto deitada diz :

-P-Perfeito! Minha Obra...Prima está.. completa. -Diz Vinyl, em seguida bebe a poção, porém a posição em que ela está deitada não é favorável, e por acidente derrama um pouco da poção nas laterais de sua boca, causando várias cicatrizes e queimaduras. Vinyl então geme de dor, e em seguida bebe a poção por inteiro.

Vinyl cai ao chão, é possível ouvir a poção derretendo suas entranhas e órgãos vitais.

Horas depois, Vinyl acorda, renovada. Todas suas feridas se fecham, exceto as feridas em sua boca, que continuam á queimar. E diz, olhando para o cadáver de Rakir.

-Que pena, meu amado. Eu não comecei essa guerra, Rakir. Mas eu vou lutar. Eu não queria que chegasse á isso, porém como eu disse, "você tomou a pior decisão da sua vida.".

Vinyl então se vira de costas e vai embora, em direção á floresta. E então murmura :

-Agora, eu estou sozinha, não posso contar com os draeneis de Karabor. Porém, todos vão se arrepender de decidirem me matar pelas mãos de meu amado.

Ad blocker interference detected!


Wikia is a free-to-use site that makes money from advertising. We have a modified experience for viewers using ad blockers

Wikia is not accessible if you’ve made further modifications. Remove the custom ad blocker rule(s) and the page will load as expected.