FANDOM


(Notas OOC)



Com esse monte de contos sendo escritos, eu fiquei com vontade de fazer o meu também, hehe. Pensei em fazer alguma coisa se passando em Draenor ou algum dos conflitos da guilda (AKA “Punho Ardente ataca alguma coisa”), mas no fim decidi usar um pedaço da história do meu char:

Morte e Vida (parte 1)

Leodok olhou pela janela da estalagem de Dalaran. Várias pessoas andavam calmamente pela cidade, ignorando o que estava acontecendo fora dos muros naquele instante. “Não há motivo para se preocupar”, dissera o arquimago Antônidas. “As barreiras arcanas destruirão qualquer morto-vivo que tente entrar na cidade”. Mas Leodok estava preocupado. Ele tinha visto a destruição que o Flagelo causara a Stratholme, onde ele morara. “Eles vão entrar”, pensou. “É só uma questão de tempo”.

Mas demorou muito menos do que Leodok, ou qualquer um dos poucos cidadãos que compartilhavam de seus medos, pudesse imaginar.

-AAAHH! - Gritou uma voz na rua. O grito foi logo abafado pelo som de vários outros, e depois pelo ruído de carne sendo rasgada.

Leodok levantou-se com um susto. “Eles chegaram”, pensou, e correu para a porta de saída da estalagem. Ele viu a última das três barreiras arcanas cair, e as tropas do Flagelo entrarem. Civis corriam em pânico. Crianças choravam. Aprendizes e noviços tentavam em vão usar o pouco que sabiam para enfrentar os flagelados, enquanto magos de batalha e guardas enfrentavam a invasão. Já haviam mais deles mortos do que vivos. E muito mais mortos-vivos.

Uma gárgula veio em voo rasante contra Leodok. Ele se agachou e, enquanto a criatura dava meia volta para outra tentativa, usou o único feitiço que conseguiu se lembrar. Polimorfia. Enquanto a gárgula estava transformada, correu até um edifício próximo e se escondeu nele. Pela janela, viu abominações, geists, carniçais e outros fazendo seu massacre. Pessoas, que havia pouco tempo andavam calmamente por Dalaran, agora caíam como moscas contra os mortos-vivos. E depois se levantavam, aumentando ainda mais os exércitos de Arthas.

“Como enfrentar um inimigo desses?”, pensou. De repente, um estrondo. Uma das torres da cidade caiu. Então outra. E outra. O edifício em que Leodok estava escondido rachou também. O teto e as paredes despencaram contra ele, sem lhe dar tempo de correr até a porta. Mas, por sorte, deu tempo de se teleportar. Leodok apareceu no topo de um monte de escombros. À sua frente, estava o que sobrou da grande cidade de Dalaran.


Foi para o sul, se escondendo de grupos de mortos-vivos e evitando as estradas. Seu destino era o reino de Guilnéas, protegido por uma enorme muralha. Não que ela fosse durar muito, julgando pelo que tinha sido feito a Dalaran. Mas ofereceria um pequeno tempo extra, que com sorte seria suficiente para pensar em outro lugar para ir. O problema era que, com uma muralha daquele tamanho, vigiada por guardas 24 horas por dia, não seria possível para ele entrar.

Leodok seguiu por uma fina trilha num morro próximo. O morro seria grande o suficiente para deixá-lo entrar, se tivesse sorte. Com algum esforço (e alguns teleportes), conseguiu chegar até o topo do morro. E, de lá, pulou para a muralha. O pulo não foi longo o suficiente, e ele quase caiu, conseguindo se segurar apenas por causa de uma fenda na pedra.

-O que foi isso? – ouviu um dos guardas da muralha dizer.

-Algum pássaro bateu na muralha, ou uma pedra do morro se soltou – respondeu o outro – você já está guardando essa droga há uns meses, devia saber dessas coisas.

-E se for um invasor?

Leodok prendeu a respiração, com medo. O outro guarda respondeu à hipótese do primeiro:

-Se for um invasor, já já ele sobe aqui e a gente mata. Esse povinho de Lordaeron acha que pode com Guilnéas, mas lutam com espadas e armaduras que nem os deixam se mexer direito. Nem armas sabem usar!

-Pode ser um anão…

-Você tem medo do quê? Estamos em dois, com outros dois a cem metros e mais dois a duzentos, para ambos os lados. Se você desse um grito, em poucos segundos teriam dez homens treinados aqui para enfrentar o seu anãozinho solitário.

Depois disso, o primeiro guarda se calou. Leodok começou a pensar em um plano. Poderia polimorfar um e enfrentar o outro, mas isso poderia atrair a atenção de mais guardas. Estava pensando seriamente em tentar a sorte, até ouvir um som de passos. Ergueu-se um pouco para ver o que estava acontecendo e viu ambos os guardas andando para o leste da muralha. Ou haviam sido chamados, ou estavam trocando de turno. Em ambos os casos, a neblina e a escuridão da noite deveriam ser suficientes para que não fosse visto. Ergueu seu corpo e ficou em pé na muralha, e foi andando rápido em busca de um lugar onde pudesse descer. Havia uma torre com uma escada espiralada logo à sua frente mas Leodok logo viu que estava guardada por guardas. Por sorte, estavam conversando e não o perceberam. Um feitiço de gelo os manteve imóveis por uns poucos segundos, o suficiente para descer a escada correndo e fazer o mesmo com os guardas abaixo. Pegou um cavalo de um cercado próximo e cavalgou o mais longe que pôde, com os guardas atrás dele. Após algum tempo, decidiram que ele não valia a pena e retornaram à Muralha Greymane.

Ad blocker interference detected!


Wikia is a free-to-use site that makes money from advertising. We have a modified experience for viewers using ad blockers

Wikia is not accessible if you’ve made further modifications. Remove the custom ad blocker rule(s) and the page will load as expected.