FANDOM


A Lua Pálida

<Um corvo voa rapidamente, como se estivesse desesperado. Ele pousa em teu ombro e lhe fita nos olhos profundamente. Lágrimas são vistas neles... O corvo parece te fitar por muitos momentos vazios. Você se sente hipnotizado por ele, mas não é nada negativo. Ele te encanta com um olhar, mas você percebe que têm algo preso em sua perna, um pergaminho. Ele têm um símbolo Arakkoano nas extremidades.... O que você faz?>

<Caso tenha decidido ler, éis aqui seu conteúdo:>

--Não sei o quanto eu posso viver sem sonhar em coisas aleatórias. Me sinto errada por estar viva... mas tão certa por viver. Isto não faz sentido, faz? Bem, eu imagino que não... Heh... Eu não sei bem o porquê de estar aqui com vocês, Investida... Mas meu mundo desmorona á cada segundo que passa... sinto que estou me corrompendo muito... Minha alma está curada de máculas passadas, está em coma, voltando á viver. Oh, me perdoem por isto, mas eu realmente não estou bem... Quem poderia imaginar um ataque pelo flanco...? De um time tão perdido e praticamente derrotado...? Haha... Depois da Lua Pálida, todas as noites eu pondero sobre : "Onde está o meu Sol?", não sei responder á esta pergunta.... Sinto que vou morrer á qualquer momento... Não importa. Estou determinada... Hoje, eu perdi boa parte de minha vida... ao ver que meu relógio solar está apontando... para um ataque pelo flanco... Eu posso estar louca, e posso não saber como usar o Sol de vocês, Azerothianos. Mas eu, Ruktar, estou convicta de que tudo vai acabar... e nós poderemos comer e beber á vontade em Vila Plácida.... A Lua Pálida se aproxima novamente de nossa amada vila... Não sei se sobreviveremos... Escrevo isto como um apelo á vocês. Burble, você se manteve... e fez da Investida algo ótimo... eu invejo você... É uma líder melhor que esta velha gralha que vus fala... Eu estou partindo para uma missão solo, da qual não sei se vou voltar... Eu vou confrontar Nefasta sozinha... E peço que vocês mantenham nossa vila á salvo... Pois vocês são os verdadeiros Salvadores de Azeroth... Burble, Ayden... por favor... não contem á Walvir... Eu vou explicar o que está havendo :

---Hoje á noite, Walvir dormia tranquilamente... Eu, no entanto, como em todas as outras noites, fiquei acordada até mais tarde... ponderando e escrevendo contos aleatórios sobre amores e ódios... Poesias sobre mortes, dores, e amores... Eu então resolvi checar meu relógio solar... Eu nunca faço isso... não sei o por quê de ter feito esta noite... Talvez seja a Deusa me preparando para o futuro... Eu o li... e previ um futuro horrível... um ataque á Vila Plácida... soldados reanimados destroçando... arrancando cabeças... Eles atacaram á noite... Pois todos estavam cansados.... Nefasta sabia disso... Eu... Eu não sei como ou o porquê... mas ela sabia!!.... O ataque foi massacrante... Ayden morreu... Burble morreu dormindo... Eu não pude ver detalhes... Eu tive que avisá-los disto... Isso acontecerá se eu não for parar Nefasta ... Eu não sou páreo pra ela, isso é certeza... Mas eu posso distraí-la... e fazê-la não ir á Vila... Vocês conseguirão dar conta dos reanimados.. EU SEI DISSO!!... Esta pode ser considerada uma Carta de Suicídio Heróica, eu não sei... ---

<A Carta está manchada de lágrimas em todo o resto, mas é possível ler o resto>

Me desculpem... Por favor... Eu não sou uma heroína... nem sequer sou forte... Mas estou disposta á morrer pela Vila... Ayden... Burble... e pela Walvir.... Se não sou forte o suficiente pra proteger a vila... eu vou dar a minha vida para segurar Nefasta... até que vocês estejam prontos... para confrontá-la... Eu conto com vocês, meus queridos.... Meus... Meus... Eternos... Filhotes... <O resto da carta está totalmente manchado de lágrimas, mas é nítido que mais nada está escrito>

<Burble recebe uma carta, a jovem gnomida estava sentada no píer de Vila Plácida, olhando a água, quando um corvo lhe incomodou>

<Quando Burble lê seu conteúdo, ela solta o pergaminho e começa á fitar o vazio. O corvo que antes lhe incomodará, agora voa em direção ao horizonte, como se estivesse indo de encontro com a Lua. Burble deixa algumas lágrimas caírem no píer da Vila enquanto observa as nuvens se fecharem na frente de seus olhos. Um vento forte passa por ela, bagunçando o seu belo cabelo rosado. O pergaminho que Burble soltará cai na água... se desfazendo em milhares de pedaços.>

<Ayden recebe uma carta, o homem, resoluto, estava deixando Vila Plácida quando é abordado por um inocente corvo, que lhe entrega a carta>

<Ao ler a carta, Ayden a queima com uma pequena chama sagrada. Não demonstrando qualquer emoção, ele saía de Vila Plácida, montado em um cavalo alugado e seguindo a estrada. Não se sabia para onde ele iria e, tampouco...como ele sentia por dentro.>

Ad blocker interference detected!


Wikia is a free-to-use site that makes money from advertising. We have a modified experience for viewers using ad blockers

Wikia is not accessible if you’ve made further modifications. Remove the custom ad blocker rule(s) and the page will load as expected.