FANDOM


"Henry, ainda dá tempo de desistir." Murmurou Mysha para seu companheiro de viagem quando os grifos pousaram em Angra do Butim. Estavam viajando a dias, procurando a "velha amiga" de Mysha, a que poderia ajudá-los em mar a encontrar o navio "Canção da Sereia". Henry acariciou a cabeça do grifo e olhou para Mysha, um tanto sério. "Já estamos aqui. Vamos falar com sua amiga, My." Juntos, caminharam pela cidade goblínica, sendo parados vez ou outra por bêbados ou vendedores, sempre interessados em Mysha, o jovem Henry evitava olhá-los pois não gostava da atenção que davam a ela.

Mysha estava com sua tradicional roupa de viajem, peças simples de couro negro e bastante justas em seu corpo, realçando suas curvas. Uma bandana vermelha estava amarrada em sua cabeça, cobrindo boa parte. Os cabelos negros e cacheados caiam ao redor de seu rosto. A dupla chegou a entrada da taverna, várias risadas e sons de copos e garrafas quebrando eram ouvidos por trás da porta, até mesmo marujos cortejando suas damas."Mysha, tem certeza que ela vai nos ajudar?" Indagou Henry, um tanto receoso, enquanto fitava a porta fechada. "É claro que ela vai ajudar, ela me deve um favor."  Mysha empurrou a porta e entrou, o silêncio tomou conta do local, várias pessoas viraram suas cabeças e fitaram a dupla.

"Pelas minhas barbas! Ross!" Berrou um humano, trajando roupas de um corsário. Uma barba volumosa cobria seu rosto e chegava até o cinto, era cheia de moedas de ouro. "Achei que não ia dar as caras aqui tão cedo! Faz tempo que num tem um bardo descente nessas bandas." O homem riu e olhou para Mysha de um modo diferente, Henry logo reconheceu o olhar. Ele não queria só ouvir musicas.

"Fica quieto aí, seu bêbado fanfarrão." Falou Mysha sorrindo, enquanto pegava o caneco de cerveja do homem e tomava um gole. O homem apenas riu e pegou outro caneco. "O que tá fazendo aqui, Ross?" Questionou ele antes de tomar da cerveja, derramando boa parte na barba. "Estou procurando aquela pessoa." Ao ouvir isso, o homem cuspiu toda a cerveja que estava em sua boca, a mulher abaixou-se rapidamente, desviando da cusparada. Mas Henry foi lento e ficou todo encharcado. "Tu ficou doida?!" Mysha levantou-se e tirou um lencinho do bolso, então o jogou para Henry e voltou a atenção ao bêbado. "Sempre fui."

 Mysha levou a mão até o cinto do homem e pegou sua pistola, o homem falou algo mas rapidamente foi silenciado quando a mulher subiu no balcão e disparou para o alto. O silêncio novamente tomou conta da taverna, algums pessoas encolhidas enquanto olhavam para ela. Mysha certificou-se que tinha a atenção de todos antes de gritar: "Onde está a Leoa?" Rapidamente várias cabeças viraram para a escada. O som de botas de couro batendo fortemente contra a madeira suja da taverna. A cada passo algumas pessoas encolhiam e outras saíam correndo, deixando seus pertences para trás. O homem, agora caído no chão, dava risadas enquanto murmurava: "Ela é louca." No alto da escada, uma mulher apareceu. Suas roupas brancas com pequenos detalhes azuis a destacariam como uma oficial naval da Aliança, mas a falta de insígnias derrubava tal imagem. Por baixo de seu chapéu azul, uma cabeleira tão dourada que parecia ouro. Sua face era cruel a primeira vista, ainda mais com seus olhos felinos, um sorriso perverso se formou no canto de seus lábios ao ver Mysha. "Eu estou aqui, Ross."

Mysha pulou do balcão, jogando a pistola no homem e murmurando um "obrigado" quase inaudível. A mulher já estava no andar inferior, quase próxima a Mysha. Henry a observou bem, seus passos eram firmes, assim como sua postura. "Mysha.." A mulher parou na frente de Mysha, olhando-a nos olhos. "Kyanna."  Henry encolheu, temendo que uma fosse atacar a outra. Mas foi ao contrário, as duas se abraçaram e riram como crianças ao brincar juntas."O que a fez vir até esse lugar, Mysha?" Falou Kyanna, indicando na direção de uma das mesas com a cabeça. As duas caminharam até a mesa e Henry ficou parado olhando, até que Mysha virou-se para ele e o chamou. O jovem caminhou um tanto sem jeito, comparado aos passos firmes de Kyanna e aos delicados de Mysha. Ele sentou-se ao lado de sua parceira. "Quem é esse, Ross?" Perguntou Kyanna, olhando para Henry enquanto bebia um gole de sua cerveja. "Henry. O motivo pelo qual estou aqui, Kyanna. Preciso de um navio para uma aventura."

Kyanna esticou as pernas em cima da mesa e tirou um punhal da bota, então começou a "palitar" os dentes com ele."E por que me procurou?" Mysha sorriu pelo canto dos lábios, como se a resposta fosse óbvia. "Vou partir em uma aventura naval. Preciso de um bom navio e uma boa tripulação que tenha culhões para aguentar a viagem. E a tripulação do Fúria nada teme."  Kyanna parou de palitar os dentes e olhou para Mysha. Henry sentia como se duas criaturas primordiais estivessem se encarando. "Que tipo de aventura?" Henry moveu-se um tanto incomodado, enquanto Mysha contava toda a história do motivo de estarem ali e o que estavam procurando. Kyanna fez uma careta enquanto ouvia, parecia não se interessar...Até que ouviu o nome do navio. Foi como se alguém jogasse todo o ouro do mundo nela. Rapidamente a capitã levantou-se e chamou seus marujos. Em questão de minutos estavam abordo do "Fúrias dos Mares" e prontos para navegar.

"Por acaso sabem para onde ir?" Perguntou Henry. Ele estava sentado na amurada do navio, observando as ondas que se formavam ao longo do casco enquanto navegavam. Angra do Butim era apenas um ponto distante e esquecido. "O Canção da Sereia só é visto durante a noite, garoto. Temos que traçar um plano... Mysha, para onde iremos?" Falou Kyanna, virando-se para a Barda, que estava sentada em algumas cordas penduradas no mastro, tocando uma flauta comum. A barda parou de tocar e fitou o horizonte, como se visse algo. "Siga reto. Quando o sol se por chegaremos lá." E isso foi tudo. Todos seguiram em silêncio, apenas a melodia de Mysha e as ondas evitavam um silêncio a bordo. A tripulação sentia um perigo e evitava falar, confiavam em sua capitã. 

Quando o sol começou a se por, Mysha subiu até o topo do mastro e agarrou-se a ele. O céu escureceu e as estrelas apareceram. Henry olhou para o mar, era uma cópia exata do céu. O navio continuou a navegar até uma pequena ilha aparecer no horizonte. Quando chegaram a ilha, apenas o trio desceu. Seguiram por uma estrada de pedras brancas, Mysha e Kyanna iam a frente murmurando algo sobre uma cigana. Aos poucos uma cabana de barro erguia-se na clareira da floresta. Na porta, uma mulher velha estava sentada, lendo um pequeno livro."Madame Elethir" falou Mysha. A mulher ergue os olhos e sorriu, então falou com uma voz rouca. "Eu estava esperando vocês. Vamos, entrem."

A mulher os guiou para dentro de sua cabana, onde sentaram-se em volta de uma mesa." Precisamos de seu conselho, madame. Estamos procurando o Canção da Sereia." Dessa vez foi Kyanna, em seu tom sério e autoritário. "Sim querida. Todos o procuram, mas ninguém volta. Mas o que querem naquele navio?" A voz da velha era rouca e baixa. Henry sentia calafrios a cada vez que ela falava. Ela fitou o trio, um de cada vez com seus olhos azuis. "Aaah... Querem matar o capitão. Eu irei ajudar. Só pode tocá-lo se for parte da tripulação, o que é impossível, já que ele leva apenas os que ele quer. Mas, parece que ele já escolheu um de vocês... E veio buscar. Voltem ao navio e naveguem para longe. Em três dias as praias serão tomadas por cadáveres e só então ele estará vulnerável para um ataque."

Henry ergue-se e bateu os punhos na mesa. "Não vamos embora, velha. Queremos respostas!" Mysha e Kyanna se ergueram e afastaram Henry da velha. Elethir levantou-se, tremendo, e fitou o grupo. "Aqui se faz, aqui se paga. Sua impaciência lhe custará caro. Saiam, não irei ajudá-los." E assim o grupo retornou ao navio, Kyanna resmungava a todo momento que queria matar Henry. Mysha sequer olhava para ele...Foi assim por quase toda a noite, até que um dos marujos gritou: "Navio a bombordo!" O trio correu na direção e fitou o horizonte. De fato, um navio negro estava lá, aproximando-se cada vez mais. Mysha olhou para Henry e murmurou: " Canção da Sereia..." Ao ouvir isso, Henry sentiu as pernas fraquejarem, quase cedendo ao peso de seu corpo. Estava em transe, o medo o deixou paralisado, até que Kyanna começo a gritar ordens. "Vamos voltar para a praia." Falou Mysha. Mas a capitã apenas sorriu pelo canto dos lábios. Ela virou-se para a dupla, seus olhos felinos brilhando de diversão, como se esperasse por aquele momento a muito tempo. Ela fitou toda a tripulação, que parecia esperar a ordem de abandonar o navio, mas isso não aconteceu. Kyanna agarrou-se a uma das corda e fitou o navio que se aproximava, o vento assoprava seu cabelo, quase cobrindo sua visão.

Em uma voz retumbante, ela bradou como um orc pronto para batalha: "Preparar os canhões, virem a estibordo, levantar âncora! Hoje, cães sarnentos, afundaremos o terror dos mares."

...CONTINUA...

Ad blocker interference detected!


Wikia is a free-to-use site that makes money from advertising. We have a modified experience for viewers using ad blockers

Wikia is not accessible if you’ve made further modifications. Remove the custom ad blocker rule(s) and the page will load as expected.